A população de São Lourenço está apreensiva quanto a continuidade dos serviços de transporte coletivo municipal na cidade. Com o vencimento do contrato emergêncial neste domingo (01/03) entre PMSL e a empresa Marques Transportes e Turismo e o silêncio do poder público sobre a situação, a reportagem do Popular.net se deslocou até a garagem da empresa na cidade de São Lourenço em busca de respostas para esta que considerada a maior crise no transporte de passageiros da região.

Em conversa franca com o encarregado da empresa na cidade, o mesmo nos contou que a continuidade dos serviços prestados pela Marques em São Lourenço estão dependo exclusimente da Prefeitura Municipal, isto devido ao fato de que segundo ele, "foi vendido um peixe e entregado outro". De acordo com o encarregado, as péssimas condições das ruas, somados a gratuidade dos idosos que hoje representam grande parte dos usuários dos coletivos, alem da farta oferta dos serviços de mobilidade urbana, tais como "ubers" e motoboys, estão fazendo com que a Marques esteja operando somente para cobrir os custos, tornando ínfima a margem de lucros, que é o objetivo de qualquer empresa. Pra se ter uma idéia, algumas linhas chegam a arrecadar menos de R$100 após terem rodado um dia inteiro, o que não paga nem o combustivel do ônibus.

Além de todos estes problemas, o encarregado contou que a divisão das linhas da cidade em duas, conhecido como projeto "São Lourenço Integrada" que fez com que os passageiros pagassem duas passagens de ônibus para ir de bairro à bairro, afastou os usuários que não adeririam a integração devido aos a instabilidade dos serviços. O prejeto foi encomendado pela PMSL a uma empresa de engenharia e custou dinheiro dos cofres públicos.

Sobre as péssimas condições das ruas, o encarregado ainda expós o grande prejuízo em manutenção sobre os ônibus que circulam na cidade, o que não é mistério para ningúem, visto os inumeros registros de moradores nas redes sociais através de fotos que mostram ônibus avariados em todos os bairros da cidade, não foram poucos. Sobre os prejuízos, o encarregado mostrou uma peça que sofreu uma quebra impressionante no ônibus da linha Nsa. Sra. de Lourdes: um diferencial que teve sua carcaça feita em aço com aproximadamente 10 cm de espessuara partida ao meio. Somente esta peça custa aproximadamente R$4 Mil.

Ônibus da empresa Marques quebrados devido a péssima pavimentação / Fotos: Rogério Brasil
Diferencial com bloco partido, coisa rara de se ver / Fotos: Rogério Brasil
Ainda de acordo com o representante, a qualidade dos onibus trazidos pela Marques para cidade é correspondente a pavimentação ao qual eles operam "Nenhuma empresa colocaria carros novos para estas ruas irregulares e de dificil manutenção. Quando chegamos na cidade nos foi dito que os ônibus da empresa anterior quebravam muito. Hoje entendo que o problema não eram os ônibus, mas sim a pavimentação e o estado de conservação das ruas da cidade. Hoje estamos com 5 carros quebrados, aguardando peças na garagem" ressaltou.

Em consequência destes fatores, as condições sobre a renovação do contrato com a Marques Transportes e Turismo para o transporte coletivo municipal de São Lourenço dependerá da aceitação pela PMSL em conceder um subsídio em dinheiro para ajudar a cobrir os custos dos ônibus, principalmente o do livre acesso dos idosos. Caso contrário a empresa deixará a cidade. Vale lembrar que o aumento neste tipo de subsídio foi negado para Circular São Lourenço, o que culminou no encerramento da atividades da empresa na cidade e gerou o contrato emergêncial com a Marques.

Sobre o vencimento do contrato, o encarregado disse que mesmo após o vencimento os ônibus continuarão circulando normalmente cidade. "Os ônibus só vão parar quando a ordem chegar da minha chefia em São Paulo" disse o encarregado. Neste domingo (01/03) os onibus circularam normamente.

Ainda de acordo com o representante da Marques em São Lourenço, o proprietário da empresa estará nesta segunda-feira (02/03) na cidade, para uma reunião junto a Prefeitura Municipal de São Lourenço para definir o destino da empresa. Somente após esta reunião a população poderá ter uma resposta concreta sore se a cidade ficará ou não sem ônibus.

Embora rumores divulgados por um vereador nas redes sociais aponte que a empresa Coutinho, que faz a linha São Lourenço x Soledade de Minas e Caxambu, possa assumir o novo contrato emergencial, muitas dúvidas passam pela cabeça do cidadão, visto que nem a Coutinho, nem a Marques ou nenhuma outra empresa se inscreveram no último processo licitatório para assumir de vez o transporte coletivo de passageiros em São Lourenço, ou por que elas aceitariam apenas um contrato emergêncial, afinal devido aos fatos um contrato defenitivo é uma manga que ninguém quer chupar.

A prefeitura Municipal de São Lourenço não se manifestou sobre o assunto.

Da Redação do Popular.net

Publicidade


FUTURO DOS ÔNIBUS DA MARQUES EM SÃO LOURENÇO DEPENDE DE SUBSÍDIO DA PREFEITURA AFIRMA EMPRESA


A população de São Lourenço está apreensiva quanto a continuidade dos serviços de transporte coletivo municipal na cidade. Com o vencimento do contrato emergêncial neste domingo (01/03) entre PMSL e a empresa Marques Transportes e Turismo e o silêncio do poder público sobre a situação, a reportagem do Popular.net se deslocou até a garagem da empresa na cidade de São Lourenço em busca de respostas para esta que considerada a maior crise no transporte de passageiros da região.

Em conversa franca com o encarregado da empresa na cidade, o mesmo nos contou que a continuidade dos serviços prestados pela Marques em São Lourenço estão dependo exclusimente da Prefeitura Municipal, isto devido ao fato de que segundo ele, "foi vendido um peixe e entregado outro". De acordo com o encarregado, as péssimas condições das ruas, somados a gratuidade dos idosos que hoje representam grande parte dos usuários dos coletivos, alem da farta oferta dos serviços de mobilidade urbana, tais como "ubers" e motoboys, estão fazendo com que a Marques esteja operando somente para cobrir os custos, tornando ínfima a margem de lucros, que é o objetivo de qualquer empresa. Pra se ter uma idéia, algumas linhas chegam a arrecadar menos de R$100 após terem rodado um dia inteiro, o que não paga nem o combustivel do ônibus.

Além de todos estes problemas, o encarregado contou que a divisão das linhas da cidade em duas, conhecido como projeto "São Lourenço Integrada" que fez com que os passageiros pagassem duas passagens de ônibus para ir de bairro à bairro, afastou os usuários que não adeririam a integração devido aos a instabilidade dos serviços. O prejeto foi encomendado pela PMSL a uma empresa de engenharia e custou dinheiro dos cofres públicos.

Sobre as péssimas condições das ruas, o encarregado ainda expós o grande prejuízo em manutenção sobre os ônibus que circulam na cidade, o que não é mistério para ningúem, visto os inumeros registros de moradores nas redes sociais através de fotos que mostram ônibus avariados em todos os bairros da cidade, não foram poucos. Sobre os prejuízos, o encarregado mostrou uma peça que sofreu uma quebra impressionante no ônibus da linha Nsa. Sra. de Lourdes: um diferencial que teve sua carcaça feita em aço com aproximadamente 10 cm de espessuara partida ao meio. Somente esta peça custa aproximadamente R$4 Mil.

Ônibus da empresa Marques quebrados devido a péssima pavimentação / Fotos: Rogério Brasil
Diferencial com bloco partido, coisa rara de se ver / Fotos: Rogério Brasil
Ainda de acordo com o representante, a qualidade dos onibus trazidos pela Marques para cidade é correspondente a pavimentação ao qual eles operam "Nenhuma empresa colocaria carros novos para estas ruas irregulares e de dificil manutenção. Quando chegamos na cidade nos foi dito que os ônibus da empresa anterior quebravam muito. Hoje entendo que o problema não eram os ônibus, mas sim a pavimentação e o estado de conservação das ruas da cidade. Hoje estamos com 5 carros quebrados, aguardando peças na garagem" ressaltou.

Em consequência destes fatores, as condições sobre a renovação do contrato com a Marques Transportes e Turismo para o transporte coletivo municipal de São Lourenço dependerá da aceitação pela PMSL em conceder um subsídio em dinheiro para ajudar a cobrir os custos dos ônibus, principalmente o do livre acesso dos idosos. Caso contrário a empresa deixará a cidade. Vale lembrar que o aumento neste tipo de subsídio foi negado para Circular São Lourenço, o que culminou no encerramento da atividades da empresa na cidade e gerou o contrato emergêncial com a Marques.

Sobre o vencimento do contrato, o encarregado disse que mesmo após o vencimento os ônibus continuarão circulando normalmente cidade. "Os ônibus só vão parar quando a ordem chegar da minha chefia em São Paulo" disse o encarregado. Neste domingo (01/03) os onibus circularam normamente.

Ainda de acordo com o representante da Marques em São Lourenço, o proprietário da empresa estará nesta segunda-feira (02/03) na cidade, para uma reunião junto a Prefeitura Municipal de São Lourenço para definir o destino da empresa. Somente após esta reunião a população poderá ter uma resposta concreta sore se a cidade ficará ou não sem ônibus.

Embora rumores divulgados por um vereador nas redes sociais aponte que a empresa Coutinho, que faz a linha São Lourenço x Soledade de Minas e Caxambu, possa assumir o novo contrato emergencial, muitas dúvidas passam pela cabeça do cidadão, visto que nem a Coutinho, nem a Marques ou nenhuma outra empresa se inscreveram no último processo licitatório para assumir de vez o transporte coletivo de passageiros em São Lourenço, ou por que elas aceitariam apenas um contrato emergêncial, afinal devido aos fatos um contrato defenitivo é uma manga que ninguém quer chupar.

A prefeitura Municipal de São Lourenço não se manifestou sobre o assunto.

Da Redação do Popular.net

Publicidade