RUA DOS ANDRADAS É TERRA DE NINGUÉM QUANDO O ASSUNTO SÃO AS LEIS DE TRÂNSITO - O Popular.net

Certamente vários motoristas da estância hidromineral de São Lourenço já receberam em suas casas algumas multas referentes a estacionar o veículo, seja carro ou moto, em uma vaga de carga e descarga, acredite, isso é muito comum numa cidade onde o número de veículos cresce cotidianamente e vagas para estacionar se tornam cada vez mais raras, forçando os motoristas, por muitas vezes a estacionar em uma das exageradas vagas para carga e descarga, nem que seja por cerca de cinco minutos e as vezes menos para executar uma tarefa rápida, como pagar uma conta ou comprar um pão por exemplo.

As fiscalizações municipais e estaduais por sua vez cumprem seu papel, autuando o motorista infrator com uma sugestiva multa que passa dos R$100 além de 5 pontos na CNH, fazendo com que a lei seja cumprida, restando ao motorista simplesmente pagar a multa. Até aí tudo bem, está errado tem mesmo que pagar e isso faz com que o sistema funcione na sua completa normalidade fazendo o que é denominado "certo".

Errado! seria certo se a leis de trânsito funcionassem para todos, o que não vem acontecendo na Rua dos Andradas, onde motoristas de caminhões e carretas que precisam descarregar em um supermercado ignoram todas as placas de estacionamento proibido, fecham frentes de garagens, entradas de lojas e transitam com empilhadeiras em via pública, tudo na maior normalidade, causando revolta a quem possui negócios no local e também a motoristas. Exemplo disso são proprietários de salas comercias na localidade que não conseguem alugar seus imóveis por conta dos caminhões. "Eles não respeitam, fecham os estacionamentos e as frentes das lojas e ninguém quer alugar" contou um comerciante do local que preferiu não se identificar.

Foto mostra caminhão parado em local proibido / Fotos: Rogério Brasil
Imóveis não conseguem ser alugados por conta de caminhões / Fotos: Rogério Brasil
Indagado pela reportagem do Popular.net, sobre se os motoristas que pretendem descarregar no supermercado são instruídos sobre não obstruir estacionamentos de lojas e salas e a respeitarem a sinalização do local, a fim de evitar desconforto aos vizinhos, um dos funcionários do supermercado que trabalha com os caminhoneiros no "Centro de Distribuição" do referido supermercado foi categórico na resposta: "Não somos responsáveis pelos atos dos motoristas, não temos nada haver com o fato deles pararem em local proibido" disse como se os motoristas não estivem lá por conta do supermercado, eximindo-se de qualquer responsabilidade. 

Já em conversa com um dos membros da diretoria do supermercado, fomos informados que a empresa tem conhecimento do problema e enfrenta um impasse para construir seu centro de distribuições fora do centro de São Lourenço,  assim como já fizeram grandes varejistas e atacadistas da cidade que saíram na frente e optaram por construírem seus centros de distribuições e depósitos fora dos limites da cidade. "Já adquirimos uma área para isso próximo ao portal da cidade, um escoamento de água feito a algum tempo no local impossibilitou a viabilidade do projeto, mas estamos trabalhando para resolver isso". 

Centros de distribuições fora dos limites da cidade tem se tornado uma solução eficiente em diversos municípios de Minas Gerais. Em São Lourenço dentre os benefícios estariam a diminuição do trafego de veículos pesados como caminhões e carretas no centro da cidade, colaborando com a normalidade do fluxo de veículos e preservação das vias públicas, diminuindo também o número de desníveis e buracos que tanto causam prejuízos aos são-lourencianos.

Contudo, enquanto o cidadão de São Lourenço continua recebendo multas, caminhões e carretas de grandes marcas nacionais e até multinacionais, continuam infringindo as leis na Rua dos Andradas, atrasando a vida de cidadãos, esburacando ainda mais as ruas da cidade e tudo isso de graça, sem ter que pagar um centavo, na eterna batalha do "pequeno contra o grande" e eu nem preciso citar que o "pequeno" somos todos nós, que mesmo possuindo menos recursos somos penalizados e obrigados a pagar e mesmo pequeninos, chamamos mais atenção de carro popular ou em uma moto 125cc em uma vaga de carga e descarga do que um monte de carretas enormes e caminhões tomando conta de um quarteirão inteiro.

Da Redação do Popular.net

RUA DOS ANDRADAS É TERRA DE NINGUÉM QUANDO O ASSUNTO SÃO AS LEIS DE TRÂNSITO


Certamente vários motoristas da estância hidromineral de São Lourenço já receberam em suas casas algumas multas referentes a estacionar o veículo, seja carro ou moto, em uma vaga de carga e descarga, acredite, isso é muito comum numa cidade onde o número de veículos cresce cotidianamente e vagas para estacionar se tornam cada vez mais raras, forçando os motoristas, por muitas vezes a estacionar em uma das exageradas vagas para carga e descarga, nem que seja por cerca de cinco minutos e as vezes menos para executar uma tarefa rápida, como pagar uma conta ou comprar um pão por exemplo.

As fiscalizações municipais e estaduais por sua vez cumprem seu papel, autuando o motorista infrator com uma sugestiva multa que passa dos R$100 além de 5 pontos na CNH, fazendo com que a lei seja cumprida, restando ao motorista simplesmente pagar a multa. Até aí tudo bem, está errado tem mesmo que pagar e isso faz com que o sistema funcione na sua completa normalidade fazendo o que é denominado "certo".

Errado! seria certo se a leis de trânsito funcionassem para todos, o que não vem acontecendo na Rua dos Andradas, onde motoristas de caminhões e carretas que precisam descarregar em um supermercado ignoram todas as placas de estacionamento proibido, fecham frentes de garagens, entradas de lojas e transitam com empilhadeiras em via pública, tudo na maior normalidade, causando revolta a quem possui negócios no local e também a motoristas. Exemplo disso são proprietários de salas comercias na localidade que não conseguem alugar seus imóveis por conta dos caminhões. "Eles não respeitam, fecham os estacionamentos e as frentes das lojas e ninguém quer alugar" contou um comerciante do local que preferiu não se identificar.

Foto mostra caminhão parado em local proibido / Fotos: Rogério Brasil
Imóveis não conseguem ser alugados por conta de caminhões / Fotos: Rogério Brasil
Indagado pela reportagem do Popular.net, sobre se os motoristas que pretendem descarregar no supermercado são instruídos sobre não obstruir estacionamentos de lojas e salas e a respeitarem a sinalização do local, a fim de evitar desconforto aos vizinhos, um dos funcionários do supermercado que trabalha com os caminhoneiros no "Centro de Distribuição" do referido supermercado foi categórico na resposta: "Não somos responsáveis pelos atos dos motoristas, não temos nada haver com o fato deles pararem em local proibido" disse como se os motoristas não estivem lá por conta do supermercado, eximindo-se de qualquer responsabilidade. 

Já em conversa com um dos membros da diretoria do supermercado, fomos informados que a empresa tem conhecimento do problema e enfrenta um impasse para construir seu centro de distribuições fora do centro de São Lourenço,  assim como já fizeram grandes varejistas e atacadistas da cidade que saíram na frente e optaram por construírem seus centros de distribuições e depósitos fora dos limites da cidade. "Já adquirimos uma área para isso próximo ao portal da cidade, um escoamento de água feito a algum tempo no local impossibilitou a viabilidade do projeto, mas estamos trabalhando para resolver isso". 

Centros de distribuições fora dos limites da cidade tem se tornado uma solução eficiente em diversos municípios de Minas Gerais. Em São Lourenço dentre os benefícios estariam a diminuição do trafego de veículos pesados como caminhões e carretas no centro da cidade, colaborando com a normalidade do fluxo de veículos e preservação das vias públicas, diminuindo também o número de desníveis e buracos que tanto causam prejuízos aos são-lourencianos.

Contudo, enquanto o cidadão de São Lourenço continua recebendo multas, caminhões e carretas de grandes marcas nacionais e até multinacionais, continuam infringindo as leis na Rua dos Andradas, atrasando a vida de cidadãos, esburacando ainda mais as ruas da cidade e tudo isso de graça, sem ter que pagar um centavo, na eterna batalha do "pequeno contra o grande" e eu nem preciso citar que o "pequeno" somos todos nós, que mesmo possuindo menos recursos somos penalizados e obrigados a pagar e mesmo pequeninos, chamamos mais atenção de carro popular ou em uma moto 125cc em uma vaga de carga e descarga do que um monte de carretas enormes e caminhões tomando conta de um quarteirão inteiro.

Da Redação do Popular.net