MERENDA DE ESCOLAS MUNICIPAIS DE SÃO LOURENÇO SE DESTACAM EM AVALIAÇÃO NUTRICIONAL - O Popular.net

As escolas municipais de São Lourenço receberam, durante toda a semana, a visita dos agentes do Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE), que vieram do Instituto Federal de Inconfidentes/MG. Os agentes percorreram cinco escolas aleatoriamente, avaliando a merenda, o espaço físico e principalmente a higiene do local. Segundo Alexandra Viera Gonçalves, Agente do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e CECANE, as escolas tiveram vários pontos positivos, “estava tudo organizado”, afirmou.

A merenda escolar em São Lourenço, desde o início de 2017, passou a ter um cardápio diversificado e altamente nutritivo. Além disso, as crianças podem repetir a merenda à vontade durante o recreio, o que não era permitido anteriormente. O presidente do CAE (Conselho de Alimentação Escolar), Pedro Fragoso ressaltou que com a ajuda do CECANE muita coisa boa está por vir. “Desde o início da atual administração é perceptível que muita coisa mudou. Com esta assessoria vamos aprimorar ainda mais o nosso trabalho, para que possamos atender, de forma contínua e eficaz, a merenda escolar em nossa rede de ensino”, disse o presidente.

Pedro Fragoso, Thais Cabisuca, Fábia Rezende, Daniele Póvoa, Rafael Mauri e Alexandra Vieira Gonçalves

A nutricionista do município, Daniele Póvoa explica que o trabalho feito pela equipe do CECANE é de extrema importância, e as mudanças sugeridas irão acontecer para o bem estar de todos. “Achei ótima a visita deles. Um trabalho em prol das crianças, para que tenham um bom desempenho, crescimento e principalmente uma alimentação saudável”, destacou.

Sobre a vinda dos agentes até São Lourenço, o Agente Rafael Mauri, explicou os critérios usados pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e a escolha dos locais a serem orientados. “São Lourenço nunca teve a visita de CECANE e este foi um dos fatores para a escolha”. Este período aqui é muito importante, pois, em Minas Gerais são 853 cidades no total, e somos poucos agentes para atender a tanta demanda.

O CECANE promoveu também um encontro com representantes de diversas cidades da região para falar sobre o tema. Para a Secretária de Educação de São Lourenço, Leila Palma, este encontro foi de grande importância para a nossa cidade e região, visto que as dúvidas são muitas, principalmente em relação ao uso da verba destinada à merenda escolar. “O que mais chamou atenção foi o fato de nosso município ser o único da região que possui a merenda terceirizada. Além de uma organização mais eficaz, a qualidade da alimentação melhorou e o desperdício é quase zero. Quase todos os municípios ficaram interessados na proposta de terceirização, sugerindo que São Lourenço organize um fórum para apresentar o nosso modelo”, relatou.

Terceirização da Merenda Escolar

Atualmente a merenda escolar é terceirizada e atende a onze escolas municipais e duas entidades filantrópicas, com três nutricionistas e cantineiras. O valor gasto por mês gira em torno R$180 mil reais, sendo que parte desta verba provém de recursos do PNAE, que hoje repassa aproximadamente R$42 mil por mês, e também do QSE (Quota Salário Educação), o restante é absorvido pela prefeitura.
Atualmente, o valor repassado pela União para Estados e Municípios, por dia letivo, para cada aluno é definido de acordo com a etapa e modalidade de ensino:
  • Creches: R$ 1,07
  • Pré-escola: R$ 0,53
  • Escolas indígenas e quilombolas: R$ 0,64
  • Ensino fundamental e médio: R$ 0,36
  • Educação de jovens e adultos: R$ 0,32
  • Ensino integral: R$ 1,07
  • Programa de Fomento às Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral: R$ 2,00
  • Alunos que frequentam o Atendimento Educacional Especializado no contra turno: R$ 0,53
 O repasse é feito diretamente aos estados e municípios, com base no Censo Escolar realizado no ano anterior ao do atendimento. O Programa é acompanhado e fiscalizado diretamente pela sociedade, por meio dos Conselhos de Alimentação Escolar (CAE), pelo FNDE, pelo Tribunal de Contas da União (TCU), pela Controladoria Geral da União (CGU) e pelo Ministério Público.

Com informações da ASCOM/PMSL

MERENDA DE ESCOLAS MUNICIPAIS DE SÃO LOURENÇO SE DESTACAM EM AVALIAÇÃO NUTRICIONAL


As escolas municipais de São Lourenço receberam, durante toda a semana, a visita dos agentes do Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE), que vieram do Instituto Federal de Inconfidentes/MG. Os agentes percorreram cinco escolas aleatoriamente, avaliando a merenda, o espaço físico e principalmente a higiene do local. Segundo Alexandra Viera Gonçalves, Agente do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e CECANE, as escolas tiveram vários pontos positivos, “estava tudo organizado”, afirmou.

A merenda escolar em São Lourenço, desde o início de 2017, passou a ter um cardápio diversificado e altamente nutritivo. Além disso, as crianças podem repetir a merenda à vontade durante o recreio, o que não era permitido anteriormente. O presidente do CAE (Conselho de Alimentação Escolar), Pedro Fragoso ressaltou que com a ajuda do CECANE muita coisa boa está por vir. “Desde o início da atual administração é perceptível que muita coisa mudou. Com esta assessoria vamos aprimorar ainda mais o nosso trabalho, para que possamos atender, de forma contínua e eficaz, a merenda escolar em nossa rede de ensino”, disse o presidente.

Pedro Fragoso, Thais Cabisuca, Fábia Rezende, Daniele Póvoa, Rafael Mauri e Alexandra Vieira Gonçalves

A nutricionista do município, Daniele Póvoa explica que o trabalho feito pela equipe do CECANE é de extrema importância, e as mudanças sugeridas irão acontecer para o bem estar de todos. “Achei ótima a visita deles. Um trabalho em prol das crianças, para que tenham um bom desempenho, crescimento e principalmente uma alimentação saudável”, destacou.

Sobre a vinda dos agentes até São Lourenço, o Agente Rafael Mauri, explicou os critérios usados pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e a escolha dos locais a serem orientados. “São Lourenço nunca teve a visita de CECANE e este foi um dos fatores para a escolha”. Este período aqui é muito importante, pois, em Minas Gerais são 853 cidades no total, e somos poucos agentes para atender a tanta demanda.

O CECANE promoveu também um encontro com representantes de diversas cidades da região para falar sobre o tema. Para a Secretária de Educação de São Lourenço, Leila Palma, este encontro foi de grande importância para a nossa cidade e região, visto que as dúvidas são muitas, principalmente em relação ao uso da verba destinada à merenda escolar. “O que mais chamou atenção foi o fato de nosso município ser o único da região que possui a merenda terceirizada. Além de uma organização mais eficaz, a qualidade da alimentação melhorou e o desperdício é quase zero. Quase todos os municípios ficaram interessados na proposta de terceirização, sugerindo que São Lourenço organize um fórum para apresentar o nosso modelo”, relatou.

Terceirização da Merenda Escolar

Atualmente a merenda escolar é terceirizada e atende a onze escolas municipais e duas entidades filantrópicas, com três nutricionistas e cantineiras. O valor gasto por mês gira em torno R$180 mil reais, sendo que parte desta verba provém de recursos do PNAE, que hoje repassa aproximadamente R$42 mil por mês, e também do QSE (Quota Salário Educação), o restante é absorvido pela prefeitura.
Atualmente, o valor repassado pela União para Estados e Municípios, por dia letivo, para cada aluno é definido de acordo com a etapa e modalidade de ensino:
  • Creches: R$ 1,07
  • Pré-escola: R$ 0,53
  • Escolas indígenas e quilombolas: R$ 0,64
  • Ensino fundamental e médio: R$ 0,36
  • Educação de jovens e adultos: R$ 0,32
  • Ensino integral: R$ 1,07
  • Programa de Fomento às Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral: R$ 2,00
  • Alunos que frequentam o Atendimento Educacional Especializado no contra turno: R$ 0,53
 O repasse é feito diretamente aos estados e municípios, com base no Censo Escolar realizado no ano anterior ao do atendimento. O Programa é acompanhado e fiscalizado diretamente pela sociedade, por meio dos Conselhos de Alimentação Escolar (CAE), pelo FNDE, pelo Tribunal de Contas da União (TCU), pela Controladoria Geral da União (CGU) e pelo Ministério Público.

Com informações da ASCOM/PMSL